domingo, 11 de junho de 2017

UMA BOA QUESTÃO...

UMA BOA QUESTÃO…
 …Colocada por este ilustre Sr. que faz o favor de ser meu amigo.


Penso que o ser humano é um eterno insatisfeito. Isto porque é habitual ele ambicionar tudo o que possa dar-lhe algum prazer na vida; só que depois de ter conseguindo adquirir o que no seu querer estava traçado, decorrido algum tempo inventa ou cria uma nova necessidade que o vai levar a um novo objectivo, que no fim também o não irá satisfazer cabalmente; então, prosseguirá nesta condição sedenta até que a senilidade, a loucura ou a morte, lhe batam à porta.
Ninguém tem a vida que sempre almejou, sendo esta a razão por que eu costumo dizer que o inferno está instalado na terra e é obra do próprio Homem e não de mão Divina, onde se supõe uma bondade infinita.
No entanto, a insatisfação do ser humano é a força motriz que o impulsiona para os complicados meandros da ciência, com vista a reduzir o seu esforço físico e intelectual e encarrilar pelo itinerário materialista com vista à supremacia; no fundo, a sua verdadeira paixão.
A insatisfação obriga à invenção, seja do que for. Esse descontentamento é, indubitavelmente, a alma da criatividade e do talento que constituem o cadinho de onde é derramado todo o progresso até hoje conhecido.
Não deixa todavia de não haver um reverso da medalha; um progresso indevidamente aplicado, forçosamente vai sempre parar ao retrocesso. Mas a insatisfação mantém-se, gera ambição, esta por sua vez submete-se à teimosia, resultando muitas vezes nos casos mais ridículos, escabrosos e medonhos que possamos imaginar, mas que no fim se transformam em realidade.
Pela insatisfação, Homem martiriza-se a ele próprio, supliciado o seu semelhante.
Isto porquê?
Porque o Homem é sem sombra de dúvidas, um ser internamente insatisfeito com a vida; logo, com ele próprio.
Como tal, não existem pessoas que tenham a vida que sempre quiseram. Ou então são loucos ou impostores.

António Figueiredo e Silva
Coimbra, 11/06/2017
www.antoniofsilva.blogspot.com     




Sem comentários:

Enviar um comentário